Anunciante

Pode ter certeza: as notas de laranja ou até de banana numa cerveja aromatizada serão sempre mais fáceis de perceber que os aromas florais de uns brancos ou as notas de couro de alguns vinhos tintos. Portanto, harmonizar comida com cerveja pode ser mais fácil – e potencialmente mais prazeroso.

Não é preciosismo: tente tomar um vinho muito tânico com um bacalhau salgado e vai ver que um indesejado sabor metálico surge na boca. Ou junte um copo de cerveja pilsen, levinha, a um prato muito pesado e verá que a cerveja desaparece em sabor. Na boca, vira água. Ou seja: harmonização existe. Existe para melhorar e potencializar o prazer que cada alimento ou bebida pode nos dar.

Cerveja, acreditem, podem hramonizar bem até com doces. Chocolates ficam incríveis com cerevjas do tipo stout. Originária da Irlanda, essa cerveja é produzida com cevada torrada, e seu amlte escuro tem um amargo mais intenso, que pode ser adocicada com notas de caramelo e cacau. Parecem ter nascidos um para o outro: stout e chocolate. As bocks também podem entrar nessa seara.

Com cerveja, o princípio é o mesmo do vinho: as leves devem se casar com os pratos leves; as mais intensas, com os pratos mais robustos. Mas como a harmonização também pode se dar por contraste, boa ideia é recorrer a uma cerveja de acidez e frescor elevados para cortar a gordura de um prato pesado como feijoada ou cassoulet. O amargor de uma cerveja pode ser como o tanino de um vinho: também corta as gorduras na boca.

Cervejas muito doces podem ir bem com queijos azuis, de mofo. Quejos muito curados devem exigir cervejas mais intensas. Os mestres cervejeiros dizem que cerveja com lúpulo acentuado são ideiais para domar a agressividade das pimentas.

A cor é um indicativo: quanto mais clarinhas, mas leves devem ser as cervejas. Combinam com comida leve, fresca. Se mais escuras, tem maltes mais escuros e mais tostados. Vão bem também com comidas mais tostadas, mais caramelizadas pelo fogo.

Uma boa regra é pensar nas ales como vinho tinto e nas lagers como vinho branco.Fermentadas em temperaturas mais altas, as ales são mais complexas em sabores e aromas. De fermentação em temperaturas mais baixas, as lagers são mais levinhas e uniformes.

Se estiver em viagem, faça como os locais: comida regional sempre fica maravilhosamente bem harmonizada com bebida também regional. Já provou um bom pedaço de joelho de porco com uma franca cerveja artesanal tcheca? Pois. É a mesma regra que comprova como o nosso queijo de coalho assado fica tão bom com uma boa pilsen geladinha – a preferência nacional.

Créditos e matéria completa: http://portaltagit.ne10.uol.com.br/gourmet/14450/cerveja-e-harmonizacao/

Comentários do Facebook